Restaurante Brasão, em Felgueiras: Cozinha portuguesa bem escudada

A caminho de Felgueiras, passamos a portagem em direção a Lixa e, andado um escasso quilómetro e meio, vamos encontrar o restaurante Brasão. É um baluarte da gastronomia regional, desde que abriu, há 40 anos, por obra e arte do dono e cozinheiro, António Carvalho. Além da comida excelente, tem serviço impecável, instalações acolhedoras e ambiente muito agradável.

A cozinha tem criações de génio que revelam toda a grandeza da gastronomia regional. Querendo saber o que é sofisticação, o que é requinte, saboreie-se o boi no bafo ou o cabrito no forno, por exemplo. E dê-se à cozinha portuguesa o valor excecional que ela tem, quando bem interpretada. Na carta, que é extensa, insinuam-se para entrada o presunto, os folhados de alheira e o polvo estufado com alho e picante que lhe espevitam o sabor. Depois aparece uma sopa de garoupa que vale por um prato principal e de luxo. Não é fácil resistir-lhe, a menos que se prefira o peixe grelhado, que vem da lota de Angeiras.

Noutro posto cimeiro está o bacalhau, por ser de qualidade e bem confecionado, sobretudo à Brasão e no pão, um e outro confitados, o primeiro em posta inteira, o segundo lascado, ambos saborosíssimos. Mas os pratos mais emblemáticos são de carne: boi no bafo, da costela de animal adulto, alta, suculenta, com sabor intenso; e cabrito no forno, que é de animal de leite, muito tenro e delicado. O bife da vazia grelhado e o bife do lombo folhado, este com um molho guloso a que a redução de vinho do Porto dá vigor, são outras opções a ter em conta. Doçaria apelativa, de que são bons exemplos os queques de cenoura com pinhões e a torta de laranja.

Muito boa garrafeira com forte presença das regiões dos Vinhos Verdes, do Douro e do Alentejo, e com apreciável de coleção de “velharias”, incluindo aguardentes raras. Várias opções de vinho a copo.

Filipe Araújo Ribeiro